PF investiga fraudes em pesquisas eleitorais na Bahia

Segundo a PF, há indícios de que o deputado Marcelo Nilo (PSL) seria o real controlador do instituto de pesquisas Babesp
2017-09-13 13:12:57
Noticia ao Minuto/Folhapress
Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Polícia Federal e o Ministério Público Eleitoral deram início na manhã desta quarta-feira (13) à Operação Opinião, que apura fraudes em pesquisas eleitorais na Bahia.Um dos alvos é o deputado estadual Marcelo Nilo (PSL), que presidiu a Assembleia Legislativa da Bahia entre 2007 e 2016. Segundo a PF, há indícios de que o deputado seria o real controlador do instituto de pesquisas Babesp (Bahia Pesquisa e Estatística).


A empresa teria sido utilizada para "contabilização fraudulenta" de recursos de caixa 2 e também para manipulação de resultados de pesquisas eleitorais.Conhecida no meio político baiano como "Datanilo", numa referência ao deputado Marcelo Nilo, o instituto registrou 39 pesquisas eleitorais no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) entre 2012 e 2016. Destas, 28 foram contratadas pelo próprio Nilo.

 

O deputado sempre negou ser dono da Babesp e dizia que o instituto pertencia a um amigo. A empresa está em nome de Roberto Pereira Matos.Em 2015, a Folha de S.Paulo revelou Roberto Matos que constava entre os beneficiários de bolsas de estudo que deveriam ser concedidas a estudantes carentes pela Assembleia Legislativa da Bahia, na época comandada por Nilo.

 

"É uma empresa que não dá lucro e faz muitas pesquisas de graça. Fez muitas pesquisas pra deputados que não pagaram. Eu, inclusive, não paguei algumas", justificou Nilo na ocasião.

 

BUSCA E APREENSÃO

 

A PF cumpriu sete mandados de busca e apreensão, incluindo a casa, o gabinete do deputado Marcelo Nilo na Assembleia Legislativa, além da residência de um de seus genros.Também houve buscas nos endereços do proprietário da Babesp, Roberto Matos, e na Leiaute Comunicação, agência de publicidade que atende aos governos petistas da Bahia desde 2007.Cerca de 30 policiais federais participaram da operação, que visa apreender documentos, papéis, registros e dados que possam contribuir com as investigações.

Comentários

Tacitus Tecnologia
PMFS 184 anos