PMFS Vozes

Equipe feirense disputará torneio de polo em águas abertas

Os treinos estão sendo realizados no Rio Jacuípe, como uma forma de adaptação para o local da competição
2018-03-13 12:11:59
Da Redação
Os treinos estão sendo realizados no Rio Jacuípe, como uma forma de adaptação para o local da competição | Divulgação

A equipe feirense de polo aquático, Polo Feira, está se preparando para mais um desafio, desta vez a equipe feirense irá disputar o Open Sertão de Polo Aquático, que será realizado de 30 de março a 1 de abril, no Cânion do Xingó, Rio São Francisco, em Canindé do São Francisco, na divisa entre os estados de Alagoas e Sergipe. Clubes de oito estados brasileiros deverão participar incluindo o tradicional Botafogo do Rio de Janeiro.

 

E para fazer bonito e galgar um lugar no pódio, a equipe feirense vem trabalhando forte. Os treinos estão sendo realizados no Rio Jacuípe, como uma forma de adaptação para o local da competição. Já acostumados a disputar campeonatos em mar aberto, o Polo Feira agora vai experimentar uma competição em rio.

 

Em entrevista a reportagem do jornal Folha do Estado, o marcador Silvio Pezão comentou sobre a expectativa da equipe para a disputa do Open Sertão de Polo Aquático e dos desafios para realização dos treinos. “Estamos muito confiantes em fazer uma boa competição, já que com toda dificuldade estamos unidos e trabalhando forte para conseguir representar bem nossa cidade e nosso estado. Hoje, nosso maior desafio, não são as competições e sim a falta de um local adequado para a realização dos nossos treinos. Contamos apenas com a piscina da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) e a piscina do 1º BEIC, esta última com uma condição melhor para á pratica do polo aquático. Porém, diante de todas as barreiras vamos superando para manter viva a chama do nosso polo”, disse.

 

A equipe feirense de polo já tem experiência nas disputas em mar aberto, porém esta será a primeira competição disputada em rio. “No mar aberto uma das grandes dificuldades é com o sal e as marolas, ou seja, não temos muita opção de tocar no chão para dar uma aliviada e respirada quando acontece um gol ou a bola saí. No mar aberto ou no rio ficamos o tempo todo flutuando e isso gera um desgaste maior nos atletas. No rio assim como mar aberto tem suas dificuldades, por ser uma água escura isso dificulta os dois árbitros perceberem o que acontece por baixo da água. Contudo, por ser água doce isso torna menos causticante para os atletas, comparado ao mar”, ressaltou Silvio Pezão.

 

Atualmente a equipe Polo Feira é formada por atletas veteranos, porém conta com o reforço de dois jogadores na faixa etária de 18 anos.

Comentários

Tacitus Tecnologia