PMFS Vozes

Licor artesanal mantém tradição em Feira

A bebida típica é essencial para aquecer do frio do inverno e garantir animação para aqueles que pretendem curtir uma noitada de forró
2018-06-13 11:42:48
Da Redação
Crédito: Mário Sepúlveda/FE

Tradicional, cremoso, artesanal, gourmet ou caseiro, o licor é, sem dúvidas, a bebida oficial dos festejos juninos do baiano. A bebida típica é essencial para aquecer do frio do inverno e garantir animação para aqueles que pretendem curtir uma noitada de forró. Em Feira de Santana, a fabricação do produto tem crescido cada vez mais, garantindo a tradição da região.


Um exemplo de sucesso é o Licor da Zuzu. A tradição passada por gerações na família Trabuco, iniciou há mais de 30 anos com a matriarca Dona Zuzu, como é conhecida, com a produção tímida, a venda sendo feita na porta de casa e a divulgação era o tradicional boca-a-boca. “Há 35 anos iniciou o negócio, de forma bastante caseira com minha mãe a frente, contando com o auxílio de minhas irmãs. Era uma coisa bem pequena e familiar. Hoje, melhoramos. Temos novos equipamentos e mais gente, porém ainda usamos as velhas receitas, mantendo o mesmo padrão de qualidade e a característica de ser artesanal”, diz Nubia Trabuco, filha de Dona Zuzu, que está à frente dos negócios.


A grande mudança da bebida vem na variedade de sabores existentes hoje em dia. Além dos tradicionais: jenipapo, maracujá, passas, cajá, tamarindo e ameixa, podem ser encontrados sabores como abacaxi, acerola, banana, gengibre e pimenta. Também há os cremosos, que vem ganhado o gosto do público, como o licor de amarula, alpino, chapada (amendoim, castanha e chocolate), delícia de abacaxi, ovomaltine e nutella.


Atualmente com cerca de sete funcionários, a empresa já expandiu o empreendimento em duas lojas: uma na Rua Papa João XXIII e outra na Rua Doutor Araújo Pinho. Além de licor, também é comercializado no local, bolos, tortas e salgados. “Depois do renome do licor, minha mãe resolveu fazer uma delicatessen. Então começamos com o licor tradicional, fomos para o licor caseiro e hoje temos uma diversidade de produtos. Todos com o nome de Delícias da Zuzu”, conta Nubia sobre o sucesso da bebida.


As expectativas de vendas totais, no São João, giram em torno de quatro mil litros por conta da Copa do Mundo. “Os anos deCopa acabam tendo mais fluxo econômico. Então estamos até pensando em fazer umas campanhas para os dias de jogos, com casadinhas de licor com salgados, para que as pessoas possam levar para a casa dos amigos e familiares”, explica Nubia. Segundo ela os sabores mais vendidos é o tradicional jenipapo, seguido pelo de cajá (vendidos por R$ 15), mas ultimamente os cremosos estão fazendo muito sucesso como os de chocolate, amendoim e maracujá (R$ 20).


O Licor da Zuzu, se tornou tão conhecido na região que já foi levado para países como França, Suíça e Canadá. “Pessoas já levaram nossa marca para fora do país e nós vemos isso como uma extensão do nosso trabalho. E mesmo tendo muito mais concorrentes que os outros anos, mas pelo fato de termos qualidade, nossos clientes se mantem fieis e ainda trazem mais pessoas para comprar”, conclui a empreendedora.

Comentários

Tacitus Tecnologia