PMFS Vacinação Antirrábica

Acordo pode levar ministros a responderem processo

Pelo acordo, a empreiteira se comprometeu a pagar R$ 2,7 bilhões em indenizações à União
2018-07-10 05:57:55
Com informações da FolhaPress
Crédito: Reprodução

O acordo de leniência assinado nesta segunda-feira (9) entre a Odebrecht, Advocacia-Geral da União (AGU) e Ministério da Transparência corre o risco de ser invalidado pelo Tribunal de Contas da União (TCU).


Pelo acordo, a Odebrecht se comprometeu a pagar R$ 2,7 bilhões em indenizações à União por danos causados com o esquema de cartel e superfaturamento de obras investigadas pela operação Lava Jato.

 

Pessoas que acompanham as negociações afirmam que os dois ministros -Grace Mendonça (AGU) e Wagner do Rosário (Transparência)- podem ser processados pelo TCU por impedirem que os auditores do tribunal fiscalizassem os termos do acordo previamente.

 

Ainda segundo eles, há cerca de dois meses, ambos assinaram um documento em que se comprometeram a assinar a leniência com a empreiteira somente depois de submeter os termos do acordo ao TCU.

 

Os ministros do tribunal consideravam que poderiam avaliar posteriormente o acordo desde que os documentos referentes à lista de obras superfaturadas e a metodologia de cálculo de superfaturamento de obras fossem entregues aos auditores.

 

Ao supostamente romper o acerto, AGU e Transparência tentariam evitar o fornecimento de documentos que possam ser usados pelo TCU para punir a Odebrecht com novos processos.

 

No julgamento da construção da estrutura eletromecânica da usina de Angra 3, em março do ano passado, o TCU colocou em xeque a leniência fechada pelo consórcio de empreiteiras que contou, inclusive, com a Odebrecht.

 

O plenário do TCU condenou as empresas por superfaturamento e elas têm de pagar R$ 1,6 bilhão somente naquela obra, além do acertado com o Ministério Público Federal na leniência.

 

As empreiteiras passaram a reclamar na AGU, Ministério Público e Transparência, da iniciativa do TCU. Para elas, a leniência já serve de reparação à União e o tribunal estaria exagerando na punição.

 

O TCU, no entanto, afirma que sua prerrogativa constitucional é ressarcir integralmente os danos à União. Por isso, comprovado o superfaturamento, exigirá reparações independente do que as empreiteiras acertaram na leniência.

 

Para preservar esses acordos de leniência, recentemente, o juiz Sergio Moro determinou que as provas dos acordos não fossem compartilhadas com todos os órgãos de controle.

 

Os ministros do TCU, no entanto, consideram que a decisão de Moro se refere a provas e que os auditores pedem informações -planilhas de superfaturamentos e metodologia de cálculo do dano- para que deem início aos processos no TCU.

 

AGU e Transparência afirmam que o TCU foi devidamente informado sobre o procedimento da leniência com Odebrecht. 

Comentários

Tacitus Tecnologia