PMFS Procultura

Multidão assiste a shows da Festa de Reis de Tiquaruçu

Os shows foram até por volta da meia-noite
2019-01-07 16:45:12
Secom/PMFS
Crédito: Washington Nery/SECOM/PMFS
Crédito: Washington Nery/SECOM/PMFS

A frente do palco nunca antes foi tão disputada como neste ano, no Reisado de São Vicente. Tanto no sábado como no domingo. A festa começou ainda com sol alto, com a apresentação de samba de roda por um grupo local. Depois, se apresentaram Raimundo Sodré, Maryzélia e Canindé. Os shows foram até por volta da meia-noite.


Cantor e compositor, Raimundo Sodré apresentou o melhor do seu repertório de temática basicamente regional, inspirado no samba-de-roda. E não faltou “A massa”, que completou 40 anos e o tornou conhecido nacionalmente ao ficar em terceiro lugar em festival de canção.


O repertório do show teve como base “Girassol de Van Gogh”, álbum lançado no ano passado. “Continuo fiel às minhas origens, às minhas raízes, de onde tiro as minhas inspirações”, relatou Sodré. A universalização das suas composições, diz, não tiraram a sua essência.


Samba de Maryzelia não deixou ninguém parado


Maryzélia mostrou todo o seu talento em quase duas horas de show. Passeou pelo samba, sua especialidade, samba de roda e outros ritmos baianos. Ela há três anos mora no Rio de Janeiro. “E sempre que posso falo a todos a minha origem: digo sempre que sou de Feira de Santana”.


Abriu a sua apresentação com um clássico de Carmem Miranda: “O que é que a baiana tem?”, de Dorival Caymmi. Também cantou Jackson do Pandeiro, entre outros compositores. Enveredou pelo ijexá e agradou a multidão.


Canindé foi do MPB ao rock


Romantismo só? Não. O cantor Canindé, conhecido pelas músicas que falam de amor e suas variáveis, mostrou versatilidade ao apresentar um repertório de MPB, sertanejo, forró e rock. Prometeu ao público que iria tocar de tudo um pouco. E cumpriu em quase uma hora e meia de show. O repertório é composto de flash back.


Cover, ficou conhecido ao imitar Zé Ramalho. E muitas músicas do seu repertório homenageia o cantor e compositor paraibano. Nos primeiros 30 minutos da sua apresentação, cantou quatro músicas de Zé Ramalho. Também mostrou talento ao interpretar Legião Urbana, Cassia Eller e Capital Inicial. A resposta do público foi das mais positivas.

Comentários

Tacitus Tecnologia