Após 30 anos

Luiz Paolilo anuncia afastamento da direção do Fluminense

Luiz Paolilo Filho se afasta de cargos diretivos no Fluminense, após 30 anos
2019-11-28 16:05:31
Da Redação
Crédito: Cristiano Alves FE
Crédito: Cristiano Alves FE

Depois de 30 anos participando ativamente das atividades do Fluminense, o comerciante Luiz Paolilo Filho anunciou seu afastamento definitivo de qualquer cargo na instituição e agora pretende apenas acompanhar os jogos do clube nas arquibancadas dos estádios. Ultimamente, ele ocupava o cargo de assessor da presidência e alegou o desgaste como sendo o principal motivo da sua decisão.

 

Desde 1988, Luiz Paolilo Filho, ou simplesmente Luizinho como é mais conhecido vinha tendo participação ativa na vida do Fluminense ocupando diversos cargos, chegando a ser vice-presidente em quatro oportunidades e presidente entre 2009 e 2013. Nem mesmo uma tragédia familiar – quando em um acidente automobilístico perdeu a mulher e duas filhas – o fez se afastar do clube. “Só me afastei entre 2013 e 2014, quando Rubem Cerqueira esteve à frente do Fluminense foi que me afastei. Foi um período pequeno, mas no ano seguinte a pedido de Gerinaldo Costa e Zé Chico (José Francisco Pinto – atual presidente) é que voltei e estive até aqui participando da vida do clube”, disse.

 

Na última eleição que levou Zé Chico à presidência da equipe, Luizinho foi nomeado como assessor da presidência e logo após a Série D do Campeonato Brasileiro, ele já começou a se afastar das coisas do Fluminense. “Na Copa de Aspirantes eu já não tive nenhum envolvimento e agora, depois de conversar com minha família cheguei à conclusão que estava na hora de sair. Conversei muito com o presidente que relutou, mas entendeu meus motivos e agora ficarei nas arquibancadas torcendo”, declarou.

 

Luiz Paolio Filho não escondeu a mágoa com alguns torcedores que o elegeram como “bode expiatório” para tudo de ruim que acontece com o Fluminense. “Muitos que ficam falando, nem conhecem direito a história do clube, muito menos sabem o que eu já fiz pelo Fluminense. Muitas críticas são injustas, muitas com tom pessoal me achincalhando, me expondo perante a amigos e familiares. Sou homem de bem e não mereço isso”, desabafou.

 

O agora ex-dirigente desejou toda sorte do mundo ao presidente Zé Chico e demais diretores que permanecem no clube. “Tem muita gente que deve achar que só pelo fato de não ser mais dirigente, que vou falar. Pelo contrário: sou e sempre serei Fluminense. Minha postura não muda porque nunca foi atrelado a corrente nenhuma, de maneira que desejo sorte a quem fica como o presidente Zé Chico, que é meu amigo independentemente de qualquer coisa”, comentou.

Comentários

Tacitus Tecnologia
PMFS Natal 3